domingo, 20 de dezembro de 2009

Votos de Santo Natal


O Grupo Missionário - L.I.A.M de Nossa Senhora da Paz, da Paróquia de Cristo Rei da Vergada, deseja a todos os seus cibernautas, colaboradores, benfeitores e amigos, um SANTO E FELIZ NATAL e um PRÓSPERO ANO DE 2010 e que o DEUS MENINO a todos nos abençoe e nos traga mais Paz, Amor, Fraternidade, Solidariedade, Alegria e Trabalho.

Para todos votos de BOAS - FESTAS.

sábado, 28 de novembro de 2009

Falecimento do Pe. Nuno da Vergada



Faleceu no dia 27 de Novembro de 2009 o Padre Nuno Gentil Tavares Ferreira, conhecido também pelo Pe. Nuno da Vergada.

A L.I.A.M.da Vergada, associada à dor da família deste Sacerdote que muito amava a LIAM estando sempre disposto a colaborar e a ajudar em campanhas levadas a efeito pelos Liamistas, cumpre o doloroso dever de informar que o funeral se realiza, Domingo, dia 29 de Novembro pelas 15 horas na Igreja de Cristo Rei da Vergada, onde os seus restos mortais repousam em câmara ardente. A Missa do 7º. dia será na próxima Quinta-Feira, dia 3 de Dezembro, na Igreja Matriz da Vergada, às 18 horas.

À Família enlutada a LIAM presta sentidas condolências e fica a pedir ao PAI do CÉU que o tenha em seu Reino Glorioso.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Há mil milhões de pessoas com fome



Há mil milhões de pessoas com fome-->


Pela primeira vez na história da humanidade, o número de pessoas que sofrem de fome alcançou os mil milhões, ou seja, 15% da população mundial. Ouvimos bem – mil milhões de pessoas! São números revelados por um alto dirigente das Nações Unidas, na II Assembleia para África, do Sínodo dos Bispos.


São números violentos e chocantes. Mesmo para aqueles que sempre encolheram os ombros à pobreza, refugiando-se em frases como - “Sempre haverá pobres” .


Todos sabemos que a fome é o rosto mais visível da pobreza. Mas há muito que a pobreza e a miséria não se confinam a África ou à Ásia: A fome está ao nosso lado, a pobreza vive à nossa porta.


O trabalho desenvolvido pela Igreja Católica “ao lado dos pobres” é reconhecido internacionalmente, e em Portugal todos os dias surgem notícias sobre as mais diversas iniciativas, que vão desde refeitórios sociais a financiamentos destinados a ultrapassar situações de desemprego.


Todos pressentimos que a solução está nas acções concretas que implicam partilha e ajuda. No entanto, sabemos que todas estas iniciativas não serão suficientes.


Decididamente, não podemos continuar a viver a fantasia de um país rico e, de uma vez por todas, temos de ter a coragem de olhar com verdade para o que se passa ao nosso lado e actuar.


Partilhar tempo, dinheiro, competência, atenção e afecto com quem mais precisa.





Luta pela Erradicação da Pobreza

Jornadas Mundiais de Luta pela Erradicação da Pobreza

Iniciativas locais de Santa Maria da Feira!

Se eu, tu e ele quisermos o mundo poderá ser diferente...

Se COLABORARES com 1 kg de alimentos, 1.000 pessoas permitem obter 1 tonelada!

Visita a página http://www.rostosolidario.pt/web/web.htm

Visita o site http://www.rostosolidario.pt/

Há muita gente, aqui e mais além, que necessita do que nós esbanjamos e/ou estragamos...
Vamos dar as mãos e construamos um novo mundo, mais justo, mais fraterno, mais solidário!

A SOLIDARIEDADE é um GESTO DE AMOR!

video

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Quem encontra Cristo, tem de O anunciar

Tenho andado a ler as Actas do Congresso Missionário Nacional de 2008, que se realizaram em Fátima de 3 a 7 de Setembro de 2008, e que teve por tema: No encontro com Cristo Vivo, chamados e enviados para a Missão em Portugal e no Mundo e tendo por lema: Portugal, Vive a Missão, Rasga Horizontes.

É um livro muito bom para quem quer conhecer bem de perto “a vocação missionária da Igreja Local, o rosto missionário da comunidade paroquial e dos movimentos diocesanos”, uma vez que (…) a missão ad gentes e inter-gentes é o grande sonho da Igreja portuguesa”.

“O Apóstolo das Gentes (S. Paulo) recorda-nos a grande urgência da missão: Se eu anuncio o Evangelho, não é para mim motivo de glória, é antes uma obrigação que me foi imposta. Ai de mim, se eu não evangelizar! (1Cor9,16).

Assim, e por me ser impossível transmitir todo este espírito de missão que deve existir em toda e em cada pessoa baptizada, e dado que a actividade missionária é a página mais gloriosa da Igreja, constituindo um hino de louvor a Deus quer no passado como no presente e porque o missionário é a pessoa que vai até aos confins do mundo para ajudar e/ou levar a Boa Nova de Jesus Cristo, sinto-me no dever de aqui dar testemunho desta leitura.

Direi mesmo que não testemunho apenas a leitura destas Actas, mas também tenho presenciado e trabalhado com algumas Instituições Religiosas e verifico que o trabalho, desprendimento e serviço do missionário, bem como todo o dinamismo evangelizador tem a sua fonte em Deus e que tende a pôr os homens em contacto com Ele, à semelhança duma Madre Teresa de Calcutá. “Por dinheiro, nada faria, mas por Amor tudo faço”.

Ser Missionário é estar desocupado para si mesmo para se “ocupar” com os outros, ouvindo-os, aconselhando-os, dando um sorriso ou levando uma palavra amiga. Ser missionário é seguir Jesus Cristo que é o primeiro e maior evangelizador, mas identificar-se com o Espírito Santo que é o protagonista da evangelização. Ser Missionário é anunciar Jesus Cristo, é anunciar a ressurreição dos mortos e Cristo ressuscitado e vivo. É saber privar-se de tudo para se poder entregar totalmente a Cristo e aos outros para que o homem, nosso irmão, viva plenamente. É saber transformar a vida das pessoas: é saber construir a Justiça e a Paz através do Amor. È nunca envelhecer. É arrastar os cristãos que cederam ao cansaço ou até abandonaram a Igreja e, com o seu entusiasmo e fé profunda, trazê-los novamente ao Amor. É por isto que a Evangelização é uma questão de Amor: amor intenso, amor que dá vida, dando a vida.

Porém, quem quiser consultar os Dez grandes desafios para a Missão do nosso Tempo, desafios esses baseados neste Congresso Missionário de 2008, aqui deixo dois sites que podem e devem consultar:

e

terça-feira, 2 de junho de 2009

Meditação através de Castanheiro...











... que comigo nasceu.

Ao longo da minha vida tenho a felicidade de contemplar um castanheiro que comigo nasceu e cresceu. Recordo-me deste castanheiro ter sido transplantado pelo meu pai, Manuel António Cardoso, sendo eu ainda menino, neste lugar de Ramil, junto à casa em que nasci, nesta Paróquia de Cristo Rei da Vergada e que tanto amo. Este castanheiro cresceu acima de todas as outras árvores como que se elevando até Deus, o perímetro do seu tronco é enorme, tem uma copa frondosa, dá castanhas grandes e saborosas, (nunca encontrei outras iguais a estas…).

E a meditação que hoje fiz foi esta:

Aquele castanheiro dá-se todo, por inteiro, a todos os que se queiram abeirar dele. Refresca e protege, mitiga a fome, dá o seu sol e a sua frescura a todos quantos se queiram aproximar dele, tanto ricos como pobres.

E amanhã? Que será daquele castanheiro?
Ele será o que tu hoje quiseres que ele seja. Poderá continuar a ser árvore e a apontar o caminho para Deus, mas também poderá ser mesa, leito, porta ou trave vigorosa em que assenta todo o travejamento do lar, ou simplesmente consumir-se-á lentamente para dar calor e alegria à humanidade. Mas dá-se todo, entrega-se todo. Será difícil uma tempestade derrubá-lo, pois tem as suas raízes bem firmes e sólidas na terra. Porém, ao tombar, todas as árvores que estão ao seu redor abanarão. Será a sua despedida. Mas a sua “bondade”, e “amor” permanecerão na mente de todos os que se serviram dele e o contemplaram.

E comigo?
Será que a vida que levo se assemelha àquele castanheiro?
Como tem sido o meu amor, o meu acolhimento para com o próximo? Procuro ser útil, perdoando e desculpando quando me ferem, ou dizem mal de mim?
Fui ou sou sempre justo, franco, leal, amável, prestável e paciente?
Dou bom conselho, sou construtor e fomentador da paz, não calunio ou blasfemo, presto o melhor serviço a Deus, à Igreja e aos outros?
Rezo fervorosamente e tento evangelizar para que Deus seja Louvado?

Cada um de nós tem uma missão.
Se não prestamos este serviço, a obra do Criador ficará, para sempre, incompleta, pois jamais haverá qualquer ser que faça aquilo que eu deixei por realizar. Toda a criatura humana é única. Não há outro ser igual a nós neste universo.
Só na medida em que formos capazes de nos sacrificar pelos outros é que nos sentimos felizes e realizados.
Se eu verdadeiramente compreendesse que a alegria está mais no dar do que no receber, no amar do que no ser amado, no perdoar do que no ser perdoado…, como este mundo seria diferente…

quarta-feira, 22 de abril de 2009

OS TRÊS CONSELHOS



Um casal de jovens recém casados, eram muito pobres e viviam de favores num sítio do interior. Um dia o marido fez a seguinte proposta à esposa:
- Querida, vou sair de casa e vou viajar para bem distante, vou arranjar um emprego e trabalhar até que tenha condições de voltar e dar a você uma vida mais digna e confortável.
Não sei quanto tempo vou ficar longe de casa, só peço uma coisa: Que você me espere e, enquanto eu estiver fora, seja fiel a mim que eu serei fiel a você.
Assim sendo o jovem saiu.
Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para o ajudar em sua fazenda. Ele se ofereceu para trabalhar, e foi aceite. Sendo assim, pediu para fazer um pacto com o patrão e este aceitou. Ele disse:- Patrão eu peço só uma coisa para o Senhor. Deixe-me trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que eu devo ir embora o senhor me dispensa das minhas obrigações.
Eu não quero receber o meu salário. Peço que o Senhor o coloque na poupança até o dia que eu sair daqui. No dia em que eu sair o Senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho.
Tudo combinado, aquele jovem trabalhou durante vinte anos, sem férias e sem descanso.
Depois de vinte anos ele chegou ao seu patrão e lhe disse: - Patrão eu quero o meu dinheiro, pois vou para a minha casa.
O patrão então lhe disse: - Tudo bem, nós fizemos um pacto e eu vou cumprir, só que antes eu quero lhe fazer uma proposta, tudo bem? E o jovem disse que poderia fazê-la.

O patrão lhe disse: - Eu lhe dou todo o seu dinheiro e você vai embora ou eu lhe dou três conselhos e não lhe dou o dinheiro e você vai embora.
Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos e se eu lhe der os conselhos eu não lhe dou o dinheiro. Vai para o seu quarto, pensa durante a noite e depois você vem e me dá a resposta.
O rapaz pensou durante dois dias e depois procurou o patrão e lhe disse:- Patrão eu quero os três conselhos.
O patrão lhe disse:- Se eu lhe der os conselhos eu não lhe dou o dinheiro.
E o jovem lhe disse:- Eu quero os conselhos.
O patrão então lhe falou:
01) Nunca tome atalhos em sua vida, caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida;

02) Nunca seja curioso para aquilo que é mal, pois a curiosidade para o mal pode ser mortal;

03) Nunca tome decisões em momentos de ódio e de dor, pois você pode-se arrepender e ser tarde demais.
Após dar os três conselhos o patrão disse ao rapaz que já não era tão jovem assim:
Rapaz, aqui você tem três pães, dois são para você comer durante a viagem e o terceiro é para comer com a sua esposa quando chegar em sua casa.
O rapaz saiu para seguir o seu caminho de volta para casa, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.
Andou durante o primeiro dia e encontrou um viajante que o cumprimentou e lhe perguntou:
- Para onde você vai? Ele respondeu, vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por esta estrada. O viajante lhe disse:
- Rapaz, esse caminho é muito longo, eu conheço um atalho que é mais perto e você vai chegar em poucos dias.
O rapaz ficou contente e começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho do seu patrão.
01) Nunca tome atalhos em sua vida, caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida; então voltou e seguiu o seu caminho.
Dias depois ele soube que aquilo era uma emboscada.
Depois de alguns dias de viagem, achou uma pensão na beira da estrada onde pôde hospedar-se.
Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir. De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para ir até ao local do grito.
Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do segundo conselho. 02) Nunca seja curioso para aquilo que é mal, pois a curiosidade para o mal pode ser mortal.Voltou, deitou-se e dormiu.
Ao amanhecer, após tomar o café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia ouvido um grito e ele disse que tinha ouvido.
O hospedeiro disse: - E você não ficou curioso? Ele disse que não.
Então o hospedeiro lhe falou:
- Você é o único que sai vivo daqui, pois eu sou louco e grito durante à noite e quando o hóspede sai eu o mato, e lhe mostrou vários cadáveres.O rapaz seguiu a sua longa caminhada, ansioso por chegar a sua casa. Depois de muitos dias e noites de caminhada, já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça da sua casinha, andou e logo viu entre os arbustos a silhueta da sua esposa.
O dia estava escurecendo, mas ele pôde ver que a sua esposa não estava só.
Andou mais um pouco e viu que a sua esposa tinha, sentado em seu colo, um homem a quem ela estava acariciando os cabelos.
Quando ele viu aquela cena o seu coração se derreteu de ódio e amargura e ele se decidiu a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade.
Respirou fundo e apressou os passos, quando se lembrou do terceiro conselho.
03) Nunca tome decisões em momentos de ódio e de dor, pois você pode se arrepender e ser tarde demais.
Então ele parou, reflectiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte ele tomaria uma decisão.
Ao amanhecer, já com a cabeça fria ele disse:
- Não vou matar minha esposa e nem o seu amante.
Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta.
Só que antes eu quero dizer à minha esposa que eu fui fiel a ela.
Dirigiu-se à porta da casa e bateu.
Quando a esposa abre a porta e reconhece que é o seu marido, ela se atira ao seu pescoço e o abraça afectuosamente. Ele tenta afastá-la, mas não consegue.
Então, com lágrimas, ele lhe diz:
- Eu fui fiel a você e você me traiu.
Ela espantada lhe respondeu:
Como? Eu não o traí, antes o esperei durante esses vinte anos.
Ele lhe perguntou:
- E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer?
E ela lhe disse:
Aquele homem é nosso filho.

Quando você foi embora eu descobri que estava grávida e hoje ele está com vinte anos de idade. Então o marido entrou, conheceu e abraçou seu filho, contou-lhes toda a sua história enquanto a esposa preparava o café, e então sentaram-se para tomar o café e comer o último pão que o patrão havia lhe dado.
Após a oração de agradecimento e lágrimas de emoção, ele parte o pão, e ao parti-lo, ali estava, para sua surpresa, todo o seu dinheiro...!

(Desconheço autor)